Vão avançar as obras de modernização e de Catenária da linha de Cascais

32
Linha de Cascais

As construtora espanhola Comsa e a portuguesa Fergrupo ganharam a concessão das obras de modernização e de catenária da Linha de Cascais, uma das linhas mais usadas no país, no valor de 31,59 milhões de euros, abaixo do preço-base, do concurso público lançado pela Infraestruturas de Portugal (IP), em dezembro de 2021.

Segundo o jornal Eco, falta apenas o visto do Tribunal de Contas, para o arranque das obras. Após este investimento, a linha de Cascais terá o mesmo sistema de eletrificação do que a restante rede ferroviária nacional, passando dos 1500 volts para 25 mil volts.

O prazo da empreitada denominada de “Linha de Cascais – Via e Catenária”, é de 730 dias, o que significa que em condições normais, os trabalhos poderão estar concluídos, entre o final de 2024 e o início de 2025.

A obra permitirá “harmonizar as condições de exploração desta linha com o resto da rede ferroviária nacional e reduzir anualmente em mais de 1 milhão de euros os custos de energia suportados pela CP com a operação do serviço”, pode ler-se em nota de imprensa da Infraestruturas de Portugal (IP) a 27 de dezembro de 2021.

Além da mudança de catenária, as obras preveem a implementação de sete novas diagonais de contravia, alteração das estações de Oeiras e Cascais, além de uma nova ligação entre a linha de Cascais e o parque de material da CP de Carcavelos.

De referir que nesta empreitada estão ainda previstas várias outras intervenções, destacando-se, a implementação de sete novas diagonais de contravia; alterações de layout nas Estações de Oeiras e Cascais; criação de uma nova ligação ao Parque de Material de Carcavelos.

O investimento na Modernização da Linha de Cascais “tem como principais objetivos promover serviços de transporte mais eficientes de modo a reduzir o consumo de energia de tração” e envolve a realização de trabalhos ao nível de Catenária e Via; Energia de Tração, incluindo construção de nova Subestação de Tração em Sete Rios; Sinalização Eletrónica; Implementação de Sistemas de Videovigilância e Informação ao Público; beneficiação de Estações e Apeadeiros, intervenções em Passagens de Nível (PN) e nos atravessamentos de Nível em Estação/Apeadeiro e supressão da PN Rodoviária de São João, última passagem de nível rodoviária ainda em funcionamento na linha de Cascais.

Recorde-se, apesar de as obras poderem estar concluídas no início de 2025, a linha de Cascais só passará a contar com comboios novos a partir do início de 2026, com a entrada em circulação de 34 das 117 novas unidades elétricas que a CP vai encomendar, por 819 milhões de euros.

Para as Infraestruturas de Portugal (IP) trata-se, de um “projeto de grande importância”, cuja concretização, aliada à aquisição de novos comboios para os serviços suburbanos que a CP está a promover, “irá reforçar e melhorar substancialmente a oferta de transporte público, potenciando o crescimento da procura e a maior sustentabilidade económico-financeira do sistema ferroviário na região de Lisboa”.

Fotografia: Infraestruturas de Portugal (IP)