Mar de Carcavelos devolve canhão inglês do tempo das invasões francesas

16

O município de Cascais retirou do fundo do mar, ao largo de Carcavelos, um canhão datado de 1808, que se acredita ser proveniente do naufrágio de um navio inglês vindo, à época, para auxiliar Portugal nas invasões napoleónicas.

O novo achado que seria para ser utilizado em terra tem gravado o monograma do Rei Jorge III de Inglaterra e foi identificado na sequência do Programa “COSMO”, desenvolvido pela Associação Portuguesa do Ambiente (APA), que faz a recolha, processamento e análise de informação sobre a evolução das praias, dunas, fundos submarinos próximos e arribas ao longo da faixa costeira de Portugal Continental.

O canhão vai agora ser alvo de um longo processo de conservação – cerca de um ano –, podendo servir, de um ponto de vista pedagógico, para dar a conhecer aos alunos de Cascais como é que, em arqueologia, se procede ao tratamento de uma peça antiga que esteve centenas de anos no fundo do mar.

Além disso, como refere Joana Balsemão, vereadora da Câmara Municipal de Cascais, “através deste objeto, que é muito mais do que um objeto, vão despoletar-se uma série de outras iniciativas como, por exemplo, a colaboração entre a Academia Portuguesa e a Academia Inglesa, porque é importante juntar registos para aproximar as pequenas peças do puzzle que formam a nossa História e Identidade”.

Há mais de 10 anos que a autarquia de Cascais investe nos programas de Arqueologia Subaquática, uma parceria que junta além Câmara Municipal de Cascais, que coordena e financia estes projetos, a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, a Direção Geral do Património Cultural e a Marinha Portuguesa.