Governo quer migrar aviação executiva para Cascais e deslocalizar Figo Maduro

11
Aeródromo de Tires | @ CMC

O Governo quer avançar com a migração da aviação executiva para o Aeródromo Municipal de Cascais, para aliviar o aeroporto Humberto Delgado, e com a deslocalização de Figo Maduro, segundo a proposta de Orçamento do Estado para 2024 (OE2024).

“Estão a ser encetados procedimentos para melhorias estruturais no AHD [aeroporto Humberto Delgado], que passam pela deslocalização da área militar de Figo Maduro (AT1) e a utilização dessa área para a operação civil”, lê-se no relatório que acompanha a proposta de OE 2024.

Além disso, “valorizando o tecido aeroportuário nacional, visa-se proceder à migração da aviação executiva do AHD para o Aeródromo Municipal de Cascais, procurando a resultante melhoria do AHD, mas também a especialização do Aeródromo Municipal de Cascais no referido tráfego e apostar na migração do tráfego de formação, tão importante para a continuidade da aviação nacional, do Aeródromo Municipal de Cascais para os demais aeródromos nacionais espalhados pelo país, procurando a dinamização desses polos aeroportuários e reforçar a coesão territorial”, detalha.

Questionado sobre os trabalhos para a expansão da capacidade aeroportuária de Lisboa, o ministro das Finanças, Fernando Medina, disse que em “Figo Maduro estão a ser feitos os trabalhos relativamente à realização dessas obras, que são por conta do concessionário [ANA/Vinci] no regime que esta definido”.