Baía de Cascais vive o espírito da época com o Mercado de Natal

6

Um dos locais mais icónicos da vila de Cascais, a Baía, recebe nesta época natalícia um Mercado de Natal, com vários stands onde se vende um pouco de tudo, desde roupa a vinho, passando por produtos artesanais e alimentares.

Quando se entra na Baía pelo lado da Estação da CP fica logo impressionado com a enorme Roda Gigante, que faz as delícias de miúdos e graúdos, mas que à hora da nossa reportagem se encontrava desligada.

Os stands são bastantes divididos em duas zonas: uma mais perto da Roda Gigante, que vende sobretudo produtos alimentares e outra mais perto da Câmara Municipal, que vende outro tipo de produtos como roupa ou joias.

Quando chegamos ao local num dia chuvoso, típico de Inverno, circulavam poucas pessoas pelo recinto, sobretudo pessoas de idade que andavam pachorrentamente devido às dificuldades de locomoção.

No entanto, no areal, e a contrastar com o que se vivia perto dos stands, um grupo de jovens divertia-se a valer, com um treino de Futvolei, ministrado pelo ex-jogador de Futebol de Praia, Alan Cavalcante.

Pouco depois, o treino acabou e a calma voltou a reinar no recinto, com poucas pessoas no recinto, pois a chuva também não ajudava, como confirmou a comerciante Joana Guerra.

“Tenho tido pouca clientela por causa do tempo, tem dias, está melhor aos feriados e fins de semana”.

Questionada sobre o facto de a crise económica estar a afetar o negócio, a comerciante considera que o problema principal é mesmo o tempo, pois “as pessoas retraem-se, isto está complicado, está difícil, mas o principal é o tempo, pois passam aqui muitos estrangeiros com poder de compra e se o tempo não ajudar, nem eles veem”.

Sobre a iniciativa, Joana Guerra considera ser “uma boa iniciativa nesta época natalícia, ao pé das luzes, e apesar de não ter muitos stands está tudo organizado, melhor que o ano passado, apesar de não ter cá estado já me disseram que está melhor, mesmo a nível de aspeto e tudo”.

“Para o ano se a iniciativa se mantiver, podem contar comigo”, finalizou a comerciante.

A nossa reportagem termina com uma vista geral sobre o recinto, que continuava muito vazio, enquanto a chuva caía com força!