Associação de Moradores da Quinta da Carreira – Uma associação com ritmo

79

A Associação de Moradores da Quinta da Carreira foi criada em 1975, logo a seguir à revolução dos cravos e era conhecida como a comissão de moradores. Na altura tinha como objetivo ser a voz ativa da comunidade junto das entidades. Os anos passaram e os tempos também, mas os objetivos mantêm-se.

Hoje, e desde 2012, a associação de moradores tem dois papéis ativos e importantes: o de ser uma ponte entre os moradores e as entidades, como as câmaras ou as juntas de freguesias e promover e dinamizar atividades auto-recreativas e desportistas.

Carlos Guimarães, Presidente da direção da AMQC, iniciou o seu mandato na direção em 2012 e queria que a associação tivesse um papel mais ativo e dinâmico: “queremos e estamos a conseguir dinamizar atividades para despertar o interesse dos moradores. Quando chegamos a associação tinha 30 sócios, hoje temos cerca de 800, é uma diferença muito grande – passámos a fazer iniciativas e a ir ao encontro das necessidades através de atividades que entendemos que não existiam aqui na Quinta da Carreira, mas que eram precisas.”

As atividades da Associação, numa primeira fase, passam muito pela área do urbanismo, sendo essa mesmo uma das prioridades para a direção. Nesse sentido, e com “muita luta”, a Associação de Moradores da Quinta da Carreira já conseguiu grandes intervenções no espaço público – com o apoio da Câmara: requalificaram a praça da Carreira, junto à Estação de São João do Estoril, criaram um Jardim na praceta Gil Vicente, fizeram ainda de raiz um parque de estacionamento gratuito junto à ribeira com 200 lugares, requalificaram o antigo tanque de rega de armazenamento de água que resultou num incentivo para que a Câmara construísse um parque de lazer urbano e a última grande conquista foi a de terem conseguido iniciar as obras para recuperar o funcionamento de “o moinho” que fica junto de um antigo poço e que no fundo é património histórico e arquitetónico – “ é o último ícone da antiga quinta e era nesse espaço que nós brincávamos quando eramos crianças e onde criamos muitas memórias, aquilo era muito atrativo.”, afirma Carlos Guimarães.

Associação de Moradores da Quinta da Carreira

Depois da recuperação de património a associação foca-se em realizar e dinamizar atividades de lazer. Os objetivos dessas atividades passam também por tentar perpetuá-las quer no tempo como no espaço e que não sejam só vistas como coisas pontuais. A Praça da Carreira é um bom exemplo disso.

“Conseguimos tirar de lá os carros e fizemos um pavimento liso. Ao início houve algum ceticismo por parte dos comerciantes porque alegavam que iam perder clientes. Então na altura assumimos o compromisso de fazer aqui um mercado de artesanato mensal para dinamizar a praça. Realiza-se mensalmente há 11 anos e temos, por norma, entre 40 a 50 bancas de artesanato e comércio”, contou-nos o presidente.

Todos os anos a AMQC realiza também um desfile de carnaval infantil, este ano não conseguiram devido ao temporal, mas tem sempre uma visibilidade muito grande porque reúne cerca de 250 crianças que mascaradas desfilam pelas ruas da Quinta da Carreira e promove o espírito entre os mais pequenos.

O Golf Solidário é também uma iniciativa bastante positiva da associação e contam já com nove edições do torneio. Esta iniciativa tem um caráter desportivo, mas essencialmente social, uma vez que é realizado com o objetivo de dar o lucro, na totalidade, à instituição Conferência Vicentina Nª. Srª. das Graças. Esta ligação criada já há alguns anos tem o intuito de ajudar uma comunidade e prestar um apoio social.

Este torneio é financiado essencialmente pelos apoios que conseguem, de empresas e de patrocinadores e ainda com o pagamento que é feito por parte dos atletas para competir. O valor mais significativo é sempre o da Câmara de Cascais e da Junta de Freguesia que todos os anos se mostram disponíveis para contribuir. Este ano o torneio conseguiu cerca de 7 mil euros que foram entregues pela AMQC à Conferência Vicentina Nª. Srª. das Graças, uma instituição de caridade.

No âmbito desportivo a AMQC criou uma escola de dança de salão muito a pedido dos moradores que, em conversa, sugeriram uma escola de dança e viram o projeto como algo que podia ser muito engraçado e dinamizador. Nesse sentido, em 2018 a associação criou um espaço com condições, um pavilhão para a realização de aulas de dança e outras atividades desportivas.

Atualmente a escola conta com 12 modalidades diferentes, desde danças de salão, afro cubanas, danças escocesas passando pelo Yoga, capoeira e até algumas novidades como o TenchiTessen, Country Line Dance ou a mais recente Biodanza. “Nós vamos sempre à procura de coisas um bocadinho diferentes, para oferecermos novidades aos moradores, tentamos trazer algo de novo”, afirmou Carlos Guimarães.

As Estrelinhas são também uma modalidade da escola de dança e são quase como “a menina dos olhos” da associação, não só por serem uma modalidade que conta com cerca de 80 crianças entre os 3 e os 20 anos de idade, mas também pelo contexto em que começou. As Estrelinhas funcionavam numa escola ucraniana, que servia de apoio às crianças para que estas não perdessem por completo o contacto com a cultura ucraniana, língua e costumes, por exemplo. Por falta de condições começaram a treinar no pavilhão da Associação de Moradores da Quinta da Carreira e hoje integram a associação e contam com muitas crianças e jovens entre portugueses e ucranianos que acabam por dar a conhecer a cultura ucraniana através das danças e dos vestes típicos.

No sentido de manter “a chama da Ucrânia acesa” nos miúdos e jovens que vieram para Portugal, a associação decidiu enviar 8 mil euros para uma fábrica na Ucrânia e em troca os trabalhadores faziam fatos para as crianças das estrelinhas usarem nos seus espetáculos. Assim, a associação acaba por ter um papel de serviço público, promove o trabalho na fábrica e os miúdos acabam por usar fatos feitos no seu país, fomentando o sentimento de casa e até, de certa forma, mostrar às crianças que estas estão a representar a Ucrânia e a mostrar mais da sua cultura.

Em maio deste ano, as Estrelinhas vão marcar presença num encontro, que se vai realizar em Barcelona, de escolas de dança com crianças provenientes da Ucrânia que vivam na Europa. A Associação de Moradores da Quinta da Carreira conseguiu reunir 60 crianças para marcarem presença no evento.

A escola de danças tem um papel importante para a associação uma vez que tem uma autossuficiência financeira, apesar de não gerar muito dinheiro acaba por não dar muitas despesas – tendo assim uma garantia das condições de suporte.

Dessa forma a associação consegue criar quase uma independência financeira juntamente com os apoios que tem da Câmara de Cascais e da Junta. Todas as contribuições que recebem acabam por serem sempre destinadas a novos projetos e investimentos. Projetos esses que agora passam por continuar a equipar o pavilhão e a dar ainda melhores condições aos praticantes até atingirem a estabilidade que procuram. Por fim, o próximo objetivo é o de terminar as obras do Poço para que as crianças de hoje possam ter tão boas ou melhores memórias como as crianças do antigamente.